Santa Maria: Homicídios caem 70,4% em quatro anos

 O bairro Santa Maria, localizado na Zona Sul da capital, já foi considerado um dos mais violentos de todo o estado de Sergipe. Mas, com a identificação da mancha criminal e o desenvolvimento de ações preventivas de combate à criminalidade na região, a localidade registrou uma queda de 70,4% na incidência de homicídios dolosos em comparativo entre os anos de 2016 e de 2020. O trabalho integrado entre as Polícias Civil e Militar foi essencial para a melhoria na segurança pública do Santa Maria.



De acordo com o levantamento feito pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), enquanto que no ano de 2016 - em que houve alta nos índices de criminalidade no estado - foram 71 casos de homicídios no Santa Maria, no ano de 2020 esse número caiu para 21 crimes. Os dados demonstram a redução de 70,4% na quantidade de ocorrências desse tipo de crime na localidade e representa o comprometimento da segurança pública com a preservação de vidas em todo o estado. 

Ainda segundo o levantamento da CEACrim, nesses quatro anos, houve reduções graduais no número de homicídios que foram praticados na região do bairro Santa Maria. No ano de 2017, foram 56 investidas criminosas. Em 2018, foram 34 casos. Já em 2019, 30 mortes em decorrência da prática de homicídios. Nesse sentido, entre 2020 e 2019, foi observada uma retração de 30%. Já entre 2020 e 2018, a queda foi de 38,2%. Entre 2020 e 2017, a diminuição foi de 62,5%.

O delegado Gilberto Guimarães, titular da 9ª Delegacia Metropolitana (9ª DM), explicou que a retração nos crimes violentos no bairro foi fruto do mapeamento das ocorrências e identificação de situações que estavam resultando no grande número de homicídios na localidade. Além disso, conforme evidenciou o delegado, foi feito um trabalho de integração das ações das forças de segurança pública da localidade, assim como a aproximação das investigações junto ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

“Chegamos no ano de 2016 e os índices estavam em patamares alarmantes. O Santa Maria sempre foi tido como violento e, por conta disso, fizemos uma avaliação e uma análise do que poderia estar influenciando para esses índices. Desenvolvemos uma maior aproximação com a Polícia Militar, estendemos o diálogo com a comunidade, através do Projeto Acorde, mapeamos a criminalidade e as ocorrências que tiveram como consequências crimes como homicídios. Também ampliamos a comunicação com o DHPP”, detalhou.

 O comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Hilário Santana, destacou que além da integração entre as forças de segurança pública, a aproximação com a comunidade foi essencial para a identificação das demandas do bairro e o combate à criminalidade na localidade. O tenente-coronel também realçou as ações conjuntas que são desenvolvidas junto às unidades especializadas como o Grupamento Especial Tático de Motos (Getam), o Comando de Operações Especiais (COE) e o Batalhão de Radiopatrulha (BPRp). 

 “A integração das forças de segurança e a intensificação do policiamento em todas as áreas da unidade, além do resgate da credibilidade junto à população para com a nossa polícia, através da integração polícia e comunidade, fez com que conseguíssemos esses resultados de redução no número de homicídios. O trabalho integrado com a Guarda Municipal e também com as unidades especializadas da Polícia Militar tem colaborado e nos ajudado bastante nesse trabalho de combate à criminalidade”, salientou.

 O delegado Mário Leony, do DHPP, também atribui a redução nos homicídios à integração do trabalho policial ostensivo e investigativo, com a constante troca de informações entre as forças de segurança pública. Mário Leony também mencionou a atuação da perícia como uma das bases da queda do número de homicídios na região do bairro Santa Maria, assim como a participação da Divisão de Inteligência (Dipol) e do Instituto de Identificação Dr. Carlos Menezes (IICM).

 “Atribuo essa redução ao trabalho integrado feito entre o DHPP, a 9ª DM e 1 BPM tanto no curso das investigações, quanto no compartilhamento de informações, e nas operações que vêm sendo realizadas e possibilitaram a desarticulação de associações criminosas, de grupos que se organizavam para a prática de crimes como o tráfico de entorpecentes. O trabalho do IAPF, do IICM, através do Núcleo de Inteligência, nos subsidiando, qualificando nossas investigações, Núcleo de Inteligência da Dipol aqui no DHPP, tudo isso contribuiu para o êxito das investigações e a redução dos homicídio”, indicou.

 O secretário da Segurança Pública, João Eloy de Menezes, ressaltou que as polícias Militar e Civil, junto à Coordenadoria Geral de Perícias (Cogerp), estão atuando diariamente na melhoria da segurança pública de toda a população sergipana. “É um marco a ser comemorado, pois são diversas vidas preservadas em uma localidade que, por anos, sofreu com os altos índices de criminalidade. Nos comprometemos e estamos cumprindo a melhoria da segurança pública no bairro Santa Maria”, assinalou.

SSP

0/Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem